logo1_transparente.png

Rainha da reciclagem

ELINEIA GOMES DE JESUS 

Elinéia Gomes de Jesus é movida pelo cuidado, apesar do pouco que recebeu ao longo de sua trajetória. De riso solto e carisma da cabeça aos pés, é a nossa Rainha da Reciclagem, responsável por uma cooperativa que existe para custear o acolhimento e cuidado de dezenas de usuários e usuárias de drogas no Jardim Pantanal, na Zona Leste de São Paulo, além de financiar centenas de marmitas distribuídas pelas comunidades e ruas da capital paulista.
 

As violências que sofreu ao longo da vida a levaram a esse "chamado", como conta, e sua vida mudou ao perceber que poderia criar uma comunidade de apoio a quem, como ela, teve poucas oportunidades e via um futuro melhor como algo distante.


Tentamos, humildemente, retratar essa potência que é Elinéia.

elineia.png

ELINÉIA APOIA

Reforma da casa de acolhida para mulheres guerreiras de Deus

 

A casa feminina de acolhida GUERREIRAS DE DEUS  foi fundada em 2009 pela pastora Elinéia de Jesus com o intuito de resgatar e transformar as vidas de centenas de mulheres que viviam nas ruas se entregando aos vícios das drogas.

 

Com essas doações conseguiremos aumentar em mais de 40% o acolhimento para mais jovens mulheres.

Nos ajuda com sua doação!!

logo1_transparente.png

ELINÉIA GOMES DE JESUS

 

Quem vê Elinéia Gomes de Jesus sorrindo não imagina o que ela já passou nessa vida. Extrovertida, brincalhona, sempre disposta a fazer tudo pelas pessoas, com diversos projetos em andamento, a pastora Néia, como é conhecida, carrega uma bagagem de dor e luta, mas sem perder a esperança.

 

A história da nossa Rainha da Reciclagem começou no sertão da Bahia. Filha de uma família de pouco recurso financeiro, ainda criança foi morar em Feira de Santana, onde trabalhava por moradia e comida.
 

Voltou para a casa da mãe com dois filhos, e a falta de condições a fez tomar uma atitude drástica: se tornou garota de programa. Em busca de uma vida melhor, decidiu ir para Campinas, interior de São Paulo, à convite de um homem, para trabalhar, e quando tivesse sua renda e seu lar, buscaria os filhos. Mas o destino foi traiçoeiro. Onde imaginava ter encontrado apoio, recebeu violência.


Sem dinheiro e sem contatos, acabou entrando para o tráfico de drogas, onde permaneceu por 10 anos. Foi acolhida por uma família por 2 anos, mas acabou retornando às ruas. Se tornou dependente química, cometeu assaltos e foi parar na cadeia. Lá, decidiu que era hora de mudar o seu destino. Se aproximou da igreja evangélica e quando recebeu a sua liberdade, foi atrás de construir o seu próprio castelo.

 

Já pastora, foi morar no Jardim Pantanal, extremo da Zona Leste da capital paulista, onde se estabeleceu, e começou a realizar trabalhos sociais junto a outros membros da igreja. No Natal de 2009, ao sair para distribuir marmitas para pessoas em situação de rua na Cracolândia, foi abordada por um rapaz, que explicou que comida e cobertor muita gente doa, mas que ele queria mesmo era sair da rua. Não pensou duas vezes: a Rainha o convidou para se abrigar na sua casa. E não só ele: ao todo,18 pessoas foram morar com ela nesse dia. Ter sido acolhida quando não tinha perspectivas de mudança fez nossa Rainha da Reciclagem retribuir o gesto e abrir as portas da sua casa. 


Vendo seu trabalho, os líderes comunitários do bairro ofereceram para ela dar utilidade a um terreno ocioso na região. Ali se estabeleceu o centro de acolhida Guerreiros de Deus, e em seguida, a Cooperativa Rainha da Reciclagem, que hoje conta com mais de 40 trabalhadores, que dão destino certo para cerca de 50 toneladas de materiais por mês. “O que pra você é lixo, pra nós é ouro”, afirma. Hoje, existem duas unidades do centro de acolhida, que contam com mais de 115 pessoas.

É impossível separar a história de Néia com as das tantas pessoas que a cercam. Cada um ali presente é parte da sua família, e por eles a Rainha da Reciclagem faz o impossível.

Com a parceria de empresas e comerciantes, Néia toca seus projetos, e com a chegada da pandemia, ainda conseguiu alimentar mais de 13 comunidades da região em situação de vulnerabilidade. Mais do que reciclagem, seu trabalho é ajudar pessoas, buscando saídas alternativas da rua e da dependência a todos que a procuram. “Eu não troco as vidas que eu tenho aqui por nada”, celebra a nossa Rainha.

 

depoimentos

FUNDO%20SITE_Prancheta%201_edited.jpg

Stephanie

Filha  - Stephanie walquiria jesus dos s
00:00 / 05:30

Aparecida Conceição

aparecida.jpg
00:00 / 06:19

Pedro Gonçalves

pedro roberto.jfif
00:00 / 03:08